Como decidir se deve ou não ser um advogado autônomo

Talvez você já esteja na atividade legal privada há anos, enchendo o bolso dos sócios, enquanto você fica escravizado na revisão de documentos, perguntando-se quando (ou se) você algum dia vai realmente ter um caso concreto. Ou talvez você tenha passado a graduação e o exame da Ordem, sem uma única oferta de emprego em vista, perguntando-se como você vai começar a sua carreira jurídica e pagar o aluguel. Independentemente da situação, é raro o advogado que não tenha se perguntado, em algum ponto na vida, como seria ser um advogado autônomo.

Embora seja verdade que a vida como um autônomo pode ser boa - auto-dirigida, auto-definida e auto-suficiente - as mesmas características que podem torná-las bastante assustadoras também. Você é o chefe, mas agora você tem que tomar todas aquelas decisões de chefe, incluindo as mais difíceis, como quem demitir. Você não apenas vai tomar a decisão de demitir uma pessoa, mas você também vai ser o que vai dar a má notícia. Seus esforços produzem dinheiro que vão diretamente para os seus bolsos, mas se os seus clientes secarem, você simplesmente não recebe o pagamento. Portanto, os mesmos fatos que fazem uma prática autônoma atraente também criam riscos que diminuem essa atração.

Não é apenas arriscado, mas você também pode ter algumas expectativas irrealistas no trabalho. Imagens do advogado autônomo lutando contra injustiça e revelando o verdadeiro assassino no tribunal permeia a nossa consciência coletiva, tornando um pouco difícil separar o fato da ficção. Em suma, ser um advogado autônomo não é o mesmo que ser Perry Mason. Como saber se ser um advogado autônomo seria o passo certo para você? Enquanto a situação de cada pessoa é diferente, e este é certamente uma decisão enorme que não deve ser tomada de repente, as suas respostas às seguintes perguntas devem ajudá-lo a resolver as realidades de sua situação das fantasias de Perry Mason que você secretamente guarda. Aqui está como decidir se você deve abrir a sua própria empresa de advocacia.

•    Você é um líder no coração? Como um advogado autônomo, você será o líder da causa, o que você deve pensar em como um negócio, como qualquer outra empresa de serviços profissionais. Você é o CEO, o presidente da conselho e o diretor administrativo, tudo em uma pessoa com excesso de trabalho (e provavelmente mal pago). Você é o tipo de pessoa que se sente confortável na liderança, ou você está mais à vontade (e, portanto, faz melhor o seu trabalho) quando alguém está tomando as decisões? Considere bastante esta pergunta. É tentador simplesmente falar, "Claro que eu sou um líder!" Mas pause por um momento para considerar estes cenários:

    ••    Como um autônomo, você precisa vender seus negócios para novos clientes. Você se sente confortável fazendo uma apresentação para um potencial novo cliente que você encontra no elevador em um seminário?

    ••    Você precisa ter o seu nome antes de potenciais clientes, e uma das melhores maneiras de fazer isso é dando palestras e seminários na comunidade. Você está confiante em sua capacidade de obter ajuda e fazer as conexões necessárias para organizar tal evento, sem falar em realmente conduzir o seminário, ou dar a palestra?

    ••    Você tem seis casos e três audiências agendadas para o mesmo dia e hora. Você tem o que precisa para resolver este conflito de agenda sozinho?

    ••    Como um associado, você pode confiar em seus parceiros e colaboradores sênior para informá-lo quando não vale a pena prosseguir com um caso, quando entrar em acordo, ou quando a ir a julgamento. Como um autônomo, essas decisões serão suas. Além de saber se você tem a habilidade e experiência legal para decidir isso, você se sente confortável sendo um tomador de decisões?

•    Faz você se sentir confiante em sua capacidade legal? Não diga "sim" muito depressa! Pense muito sobre o que você realmente sabe e não sabe. As possibilidades são, que você chegará à conclusão de que você não sabe o que excede muito o que você faz. Como um autônomo, você precisa ser responsável por um processo desde entrevistas preliminares, passando por toda a jornada até o julgamento final e, possivelmente, até recorrer (dependendo de como você projeta o seu acordo de retenção). Tem certeza que tem o conhecimento e habilidade para levar caso por todo esse caminho? Você sente que teve experiência prática suficiente? Como se costuma dizer, você pode "encontrar o fórum?"

•    Existe um mercado de serviços jurídicos de que está sendo mal servido em sua área geográfica alvo? Nem mesmo Perry Mason vai fazer o suficiente para alimentar a família se não existe um mercado suficiente para os seus serviços. Verifique se você tem uma idéia de quanto trabalho estará disponível para você quando você decidir começar. Esteja você partindo do zero, ou carregando um grande livro de negócios com você, você ainda precisa conquistar novos clientes. Se o seu coração está nas leis Marinhas, e você vive no Centro-Oeste, você pode ter alguns problemas. Se você realmente quer praticar direito de defesa criminal e já existe um excesso dos peritos de defesa criminais, você pode ter alguns problemas.
Isso não quer dizer que você não pode ou não deve tentar competir com outras pessoas que prestem os mesmos serviços jurídicos. Não deixe que a mera presença de tais concorrentes te impeça se todo o resto te chama a "correr atrás." Mas você deve estar consciente dos obstáculos que vai enfrentar. Se a concorrência é abundante, então você terá que encontrar uma maneira de se distinguir suficientemente para conquistar clientes o suficiente para sustentar a sua prática.

•    Você tem os recursos necessários para ter sucesso, ou você pode adquiri-los, quer por terceirização ou aprendendo as competências necessárias sozinho? Embora não seja necessário saber tudo antes de decidir ser autônomo, você deve pelo menos ter uma base sólida, um plano exeqüível de adquirir esses recursos antes de comprometer a sua energia mental para a abertura de um escritório autônomo:

     ••    Dinheiro. As estimativas podem variar desde três meses até um ano inteiro de despesas. Por "despesas", queremos dizer "tudo que você tem para pagar" - incluindo despesas pessoais, como aluguel ou hipoteca, utilitários, mercearia, empréstimo estudantil e dívida de cartão de crédito, bem como aqueles relacionados ao seu negócio como aluguel de escritório, custos de equipamentos para começar e serviços de investigação legal. Se guardar muito pouco, você corre o risco de ter que encontrar um emprego a tempo parcial, ou pior, fechar o escritório, abandonando seus clientes (e eles não vão voltar tão facilmente no futuro, quando você tentar ser autônomo novamente). Mas se você esperar para economizar um ano inteiro de gastos ou mais, você pode perder uma oportunidade ou ir à loucura trabalhando em um ambiente não muito bom. Em algum ponto, faz sentido simplesmente mergulhar e deixar a sua fome (tanto literal e figurativa) motivá-lo a entrar no mercado lá fora. Independentemente abordagem que você prefere, você terá que economizar algo, e você deve ter uma idéia muito clara do quanto você realmente precisa. Gaste algumas horas com cálculos para chegar a um total por mês para despesas pessoais, em seguida, use os muitos recursos na web e impressos para estimar tanto os seus gastos iniciais, quanto os custos e despesas comerciais por mês. Informação realmente é poder nesse caso.

     ••    Network de apoio de outros advogados. Uma das melhores coisas sobre trabalhar em uma empresa ou em qualquer escritório com outros advogados é a hora do café - aqueles dez minutos gastos nos escritórios dos outros ou no corredor, discutindo a mais recentes descoberta do caso Smith. Como um autônomo, você vai perder isso, mas você pode compensar cultivando uma rede de outros procuradores que pode ajudá-lo por telefone ou e-mail. No entanto, uma advertência: embora a maioria dos advogados terá prazer em ajudar de vez em quando, não abuse do privilégio. O tempo deles é dinheiro, também, e se você ligar com muita freqüência, sem qualquer espécie de quid pro quo em retorno (uma referência, talvez, ou uma oferta para se inscrever como advogado conjunto em um caso particularmente lucrativo), você vai encontrá-los em breve fora do escritório, ou muito ocupados para retornar as suas ligações.

     ••    Network de apoio dos amigos e família. O seu cônjuge é a favor desta mudança? Será que seus amigos acham que você está louco? Embora a falta de apoio pode não parecer um problema para negócio, você deve estar ciente de que ela só vai tornar as coisas mais difíceis para você, a longo prazo. Você precisará de pelo menos uma ou duas pessoas na sua vida que você se sinta confortável para se aproximar quando as coisas não vão tão bem. Praticar o direito em qualquer configuração é desgastante, mas ser autônomo agrava ainda mais o estresse. Verifique se você tem uma rede de segurança - alguém que vai ouvir as suas queixas e choros sem automaticamente te dizer, "Eu te disse que esta era uma idéia maluca!"

     ••    Conhecimento prático. Não se trata apenas de conhecer a lei do artigo VII - você também tem que saber como abrir uma queixa de discriminação no tribunal federal. Não é o suficiente saber a regra contra perpetuidades - você também tem que saber como fazer o registro da escritura. Se você estiver virando autônomo direto após a faculdade de direito, e não aprendeu essas coisas durante um estágio de verão (e a maioria de nós não) então, tenha um plano de acompanhar um advogado praticante durante alguns dias, ou simplesmente peça a um colega particularmente útil na próxima reunião no tribunal.

     ••    Familiaridade com os princípios da gestão de uma empresa. Você sabe o que deve incluir um plano de negócios? Você está familiarizado com os princípios do marketing? Você sabe como criar a folha de salários? Contabilidade? Gerenciar uma conta de cliente? Se não, você deve planejar obter esta informação antes de abrir a sua porta. Há uma infinidade de boas fontes, tanto na web quanto em papel; algumas sugestões são anotadas nesta página, mas algumas horas na livraria local pode ser um tempo bem gasto. Além disso, pense nos seus clientes pré-existentes que poderiam conhecer esta informação - outros donos de empresas, CPAs ou bookkeepers, ou o seu companheiro de quarto da faculdade, que fez marketing. Poderá ser útil começar um arquivo de networking, utilizando um cartão com um índice alfabético ou sistema funcional de arquivamento, ou o Outlook ou qualquer outro software de gerenciamento de contatos no mercado. É muito útil ter a sua lista de contatos e todas as informações relevantes em um só lugar.

     ••    Competências de gestão do stress. Talvez você ache que está estressado hoje, com os prazos e solicitações do cliente os seus filhos doentes. Tente gerenciar esse mesmo estresse, quando você for o chefe, o dono, e sabendo que a bola literalmente “pára com você”. Se você não trabalhar, ninguém é pago. Ser um advogado autônomo pode ser extremamente estressante. Se você acha que poderia ter problema em gerenciar o stress, você vai certamente querer encontrar uma maneira de para corrigir essa deficiência antes de virar autônimo. Comece com uma visita ao seu médico, para saber se já tem estresse induzido por problemas de saúde, e para ter a sua ajuda na luta contra o stress. A maioria dos médicos ficará muito feliz em ajudá-lo a ser mais pró-ativo. Um bom plano de redução de estresse irá incluir meditação, exercício físico, uma prática mente-corpo (como yoga, Pilates, ou Tai Chi), boa nutrição e um bom padrão do sono.

•    Você tem uma idéia de que tipo de prática que você gostaria de ter? Área de atuação, tipo de negócio que pretende executar, os clientes que pretende atrair e servir, transacional versus contencioso, boutique - não importa o que é isso, você só precisa ter algum plano concreto em mente. Se tudo o que você tem é uma fantasia de você em um escritório em algum lugar direcionando “paralegals” e sendo venerado por jovens advogados, este é um bom indício de que você tem mais algum trabalho a fazer com os seus planos. Se, por outro lado, você pode falar durante horas sobre servir a crescente comunidade hispânica na cidade com a sua lei de imigração e de assistência familiar, ou a forma como os pequenos empresários em sua cidade precisam de balcão único para todas as suas necessidades litigiosas empresariais; ou como não há ninguém praticando direito de construção na sua área, que está muito familiarizada com a indústria da construção; se, em suma, você tem desejos concretos e específicos e intenções que você possa articular e que geram um justo grau de excitação para você, então você deve proceder à sua transição para o planejamento de prática autônoma.

•    Será que a idéia de ser um praticante autônomo realmente te anima? É incrivelmente difícil executar o seu próprio negócio, e especialmente difícil quando o negócio é a prestação de serviços jurídicos. Não só tens de ser um especialista na prestação desses serviços, mas você também tem que dedicar tempo necessário para tarefas tais como marketing, gestão de fluxo de caixa da sua empresa, e gestão administrativa das tarefas do caso que você provavelmente não está tão familiarizado agora, porque elas devem estar sendo tratadas por um pessoal de apoio não muito visto no seu escritório atual (ou pelos parceiros). Se não estiver familiarizado com eles, esses serviços são necessários para a prática crescer e prosperar. Basicamente, ele é muito trabalho duro, por isso, se a idéia da real prática do direito não te entusiasma, você estará entrando em uma difícil jornada.


•    Tem a certeza de que pretende avançar para a prática autônoma, em oposição à avançar a partir da sua posição atual? Às vezes é difícil dizer a diferença entre a fugir de uma situação ruim e correr para uma boa. Se o seu emprego atual é péssimo, ou se você se sente mal pago, pouco apreciado ou subutilizado, então você pode querer considerar se você realmente deseja exercer a advocacia autônoma ou simplesmente conseguir um novo emprego. Ser autônomo não irá salvá-lo de tratar com um cliente particularmente repugnante, por exemplo; profissionais autônomos muitas vezes se sentem mais pressionados a aceitar clientes questionáveis, porque eles precisam do dinheiro. E ser autônomo só para escapar de um patrão é um excesso. Considere se uma nova posição - sem o patrão chato ou um cliente particular, ou com uma melhor tabela salarial ou mesmo em uma nova área de atividade - poderá resolver o problema para você. Ser autônomo é um martelo muito grande para empunhar contra um problema do tamanho de uma formiga.

Estas questões não são necessariamente uma lista firme e rápida, mas mais uma lista de tópicos para você começar seu próprio escritório de advocacia. Leve algumas semanas, pelo menos, e dedique meia hora por dia para refletir estas questões. Usar estas perguntas para escrever em um diário também pode ajudá-lo a organizar seus pensamentos sobre estes temas. Esclareça essas questões e, então, se o momento parecer certo e suas respostas a estas perguntas (e as perguntas que as suas respostas levantam) te asseguram que este é um passo positivo para sua carreira, vá para a próxima fase - Planejar o seu novo escritório de advocacia.