Como previnir e tratar a osteoporose

A osteosporose é uma doença esquelética sistêmica, caracterizada por massa óssea baixa, redução absoluta da quantidade de osso, deteriorização microarquitetural do tecido ósseo com consequente fragilidade óssea e sucetibilidade à fratura.

Considerado um problema de saúde pública grave, é responsável por gastos de 10 bilhões de dólores por ano só nos EUA já que aproximadamente um terço das mulheres acima de 65 anos sofrerá fraturas de vértebras; uma em cada 3 mulheres em idade avançada e um em cada 6 homens sofrerão fratura pélvica onde destes, 10-20% morrerão por consequência da fratura e outros 30-60% necessitarão de cuidados prolongados repassando o déficit aos cofres públicos.

  1. Definição e etiologia da osteosporose. Caracterizada pela existência de menor massa óssea quando comparada com indivíduos da mesma faixa etária/sexo com maiores riscos de fraturas e por ser considerada uma doença sistêmica do sistema músculo esquelético, associada a altos índices de morbidade. É uma doença cosmopolita, ocorre em toda a população mundial, mas a incidência de fratura difere acentuadamente nos grupos étnicos, com maior incidência entre brancos e amarelos se comparado com a raça negra.
  2. O processo natural deo envelhecimento e a osteoporose. A evolução da massa óssea durante a vida, pode ser dividida em 3 fases distintas. Na primeira, que vai da concepção à puberdade, e que se encerra com o fechamento da epífases. Segue-se a segunda fase durante o qual ocorre um aumento significativo da massa óssea . O pico da massa óssea é alcançado dos 30 aos 40 anos de idade. Alguns anos após a fase de formação óssea máxima, mais precocemente nas mulheres do que nos homens, ocorre a diminuição progressiva da massa óssea. Nas mulheres a perda de massa óssea é de aproximadamente 1% ao ano principalmente a partir do quinto ano após a menopausa.
  3. Diagnóstico e avaliação da osteoporose. A conceituação e identificação da osteosporose envolve a diminuição da massa óssea corroborada por sinais clínicos, radiológicos, laboratoriais e histológicos.

    Métodos propedêuticos para a avaliação da osteosporose:

    • Radiologia - As alterações ósseas encontradas na osteoporose consistem na rarefação óssea generalizada, mais proeminente na coluna vertebral, alterações dos corpos vertebrais e fraturas de punho, colo do femur e costelas.
    • Densitometria óssea - Avalia a atividade metabólica em diferentes regiões do esqueleto. O método tem se mostrado eficaz devido sua sensibilidade e reprodutividade, não só para a caracterização diagnóstica, mas também para a avaliação terapêutica inferindo dados sobre a densidade da coluna vertebral, colo do fêmur, bem como a massa mineral total.
    • Marcadores biológicos do metabolismo ósseo e tomografia computadorizada.
  4. Tratamento sintomático. É o tratamento realizado na primeira fase de manifestações clínicas, abordando o quadro doloroso e previnindo possíveis complicações.

    • Tratamento medicamentoso. Utilização de analgésicos e miorelaxantes, previnindo as interações medicamentosas e as complicações advindas dos efeitos colaterais da medicação usada. Lembrando que corticõides esteroidais aumentam o risco de fraturas.

      • Repouso. É de grande importâancia na fase aguda, pois diminuindo a mobilidade estaremos consequentemente reduzindo o quadro doloroso.
      • Fisioterapia. Podemos usar uma grande variedade de recursos analgésicos devidamente indicados e acompanhados por um fisioterapeuta. TENS, Eletroacupuntura, massagem manus e hidroterapia diminuem sensivelmente o quadro doloroso, reduzem edemas localizados e promovem a independência funcional tanto quando possível acrescendo, dessa manaira, a qualidade de vida dos pacientes.

    • Tratamento Farmacológico. Basicamente são usado dois grandes grupos de fármacos:

      • Anti-reabsortivos - como por exemplo o Cálcio atuando sobre a diminuição da secreção do paratormônio. O estrogênio reduzindo a reabsorção óssea, sendo o agente na escolha na prevenção da perda óssea pós-menopausa. Atua ativamente na prevenção de fraturas e na diminuição da perda óssea. Dentre os efeitos adversos do estrogênio, observamos a indução à mestruação, mastodinia e retenção de líquidos.
      • Estimuladores da formação óssea - Fluoretos constituindo potentes estimuladores da formação óssea, resultando um grande aumento da massa óssea trabecular.
      • Vitamina D e seus análogos - estudos preconizam que aumentam a massa óssea e reduzem a frequência de fraturas em indivíduos com a osteoporose já instalada.