Como viajar para Mianmar

Mianmar (Burma)...um enigma para a maioria do mundo...mas um prazer para viajantes experientes com um senso de aventura. Alguém diz: “Eu estou indo a um lugar porque todo mundo está indo!” Quem vai a Mianmar é exatamente o oposto... E se isso descreve você... Leia. O ciclone Nagris devastou o país matando muitas pessoas e chamou a atenção mundial. Mas volte sua memória para o poema de Kipling ‘Mandalay’, quando Mianmar era o centro principal do império britânico. Mas Mianmar não tinha mais estado na trilha dos turistas por muitos anos. Com as sanções contra a junta militar governante, o turismo ficou irregular. Não é um local fácil... Pense na Tailândia em 1970. Você tem de usar dinheiro, que é irritante. Mas sua aventura o levará à terra dos frascos, pagodes, templos, estupas e monastérios cheios de adoradores que ainda praticam a maioria das cerimônias das tradições milenares.

Passo 1:

Obtenha o visto. Você pode obter facilmente um visto nas embaixadas de Mianmar em todo mundo. Se não há uma embaixada onde você vive, você pode obter um visto na Tailândia ou China, dependendo de onde você voar primeiro. Um agente de viagem pode arranjar facilmente isso pra você em Bagkok. Você pode viajar pra Bangkok e pegar um avião para Mianmar, Yangon ou Mandaly. Você também pode ir à China e viajar na estrada de Burma da Segunda Guerra Mundial. Outra opção é pegar um Cruzeiro e desfrutar do nascer e do pôr-do-sol em Irrawaddy e outras margens de Mianmar nos elegantes decks de Mandalay.

Passo 2:


Agende sua viagem com operadores experientes e estabelecidos. Já que a estrutura de turismo ainda é um pouco emergente, é aconselhável que você faça um tour com experientes operadores, para que tudo ocorra bem e de forma pontual. Há sempre alguém para cuidar de tudo o que está por vir. Há vários comentários na Internet. Você também pode fazer suas escolhas em tours oferecidos por hotéis ou outros regimes. Por exemplo, você pode pedir por um carro próprio e guia para que tenha flexibilidade em visitar somente os locais que você deseja e em períodos convenientes, já que não precisa esperar por ninguém. Se não quer fazer reservas com operadores de turismo, voe para Yangon ou Mandalay, reserve um hotel em qualquer um desses lugares e se organize com as informações que conseguir por lá. Você pode pegar um carro e o motorista pode ser um bom guia. Seu hotel pode ajudar nas escolhas.

Passo 3:


Fique no The Strand em Yagon. Construído em 1901, ele está localizado no centro, então é fácil encontrá-lo. Se for muito para o seu orçamento, ao menos tome um drink no bar. O hotel foi reformado com tema dos anos 1920 e lembra o passado colonial do país. O hotel não é a única lembrança. Ao longo de toda Yagon, você verá prédios e casas que são lembranças vivas da história. Os lagos em Yagon também dão um ar de mistério e tranqüilidade que você certamente não sentirá na maioria das grandes cidades.

Passo 4:


Conheça o Teravada. A vida em Mianmar é fortemente centrada no budismo. Em Yangon, visite o Pagode Shwdagon, o mais importante sítio sagrado do país. Não passe apenas pelo pagode e vá embora. Fique mais tempo e veja os locais de veneração. Em alguns casos, você verá voluntários com suas vassouras e grandes sorrisos. Esse pessoal nasceu naquele dia da semana, então eles vem para o culto e limpam os templos. Saiba o dia da semana que você nasceu, assim você pode limpar os templos de acordo com isso. Veja as procissões onde são oferecidos presentes aos templos. Vá para Bagan, onde milhares de santuários, a maioria construído antes do século XIII, preenchem o horizonte. Os budistas acreditam que construindo estes locais sagrados, eles chegarão ao Nirvana mais rápido.

Passo 5:


Vá às compras. Mianmar tem uma tradição de belos artesanatos. Em Yagon, visite o Mercado Bogyoke Aung San. Situado no coração de Yagon, esse mercado contém cerca de 2000 lojas onde você pode comprar bonecas folclóricas, máscaras de coco, folhas de ouro e bordados de ouro, pedras preciosas como rubis, safiras e jades, tapeçarias bordadas Kalaga, artigos de laca, artesanatos em couro, esculturas de pedra e madeira, artigos de prata, artesanatos tribais como bolsas Shan, fantoches tradicionais, tecidos feitos a mão, e mobiliário teça. Para os entusiastas com jóias, este lugar é o paraíso. Vá até uma agência do governo, para conseguir uma permissão para exportação. Lembre-se, ao chegar, declare todas jóias preciosas que você tem na alfândega. Você pode pagar multas ou ter os itens apreendidos se você não o fizer. Melhor ainda, não use nenhum quando você visitar Mianmar. Compre alguns quando chegar lá. Leve bastante dinheiro em espécie para não se arrepender de não ser capaz de comprar essas barganhas. Estude um pouco sobre pedras preciosas antes de ir, para que você escolha melhor e não termine com pedras sem valor algum! O design e o acabamento podem desapontá-lo um pouco, mas se você tiver tempo, pode ter algumas personalizadas.

Passo 6:


Deixe a rota para Mandalay acenar para você. Esta é a velha capital real e a segunda maior cidade do país. Ela é mais fria também. Ela leva esse nome por causa da colina de Mandalay (240 m), que é repleta de monastérios e pagodes. Você pode voar de Yagon até Madalay, e vice-versa.  Ou pegue a estrada (670km). Você pode ver e visitar outros lugares pelo caminho. Você pode alugar um carro e pedir por um guia. Mandalay, sendo a capital durante Império Britânico, é o lar de tradicionais artesãos e você pode vê-los em suas oficinas.  Enquanto estiver lá, visite o Templo Shwe Nandaw Kyaung, cujas casas são os únicos prédios restantes do suntuoso palácio de fosso.

Passo 7:


Prove thanka. Em toda Mianmar você encontrará mulheres e crianças com rostos pintados, o que, para um estrangeiro, parece que eles sujaram seus rostos com pó amarelado molhado. Thanaka é uma cola de casca que os nativos usam para proteger do sol a pele clara e suave. Eles vendem isso em potes cosméticos e você pode pintar você mesmo como um palhaço e ainda parecer normal. No passado era dito que o Thanaka era eficaz para as mulheres receberem propostas de casamento.

Passo 8:


Vista um langi. Langis são sarongues dobrados na cintura. Ele faz você parecer menos estrangeiro quando usá-los e são bem mais frios que calças.

Passo 9:


Vá aos festivais. Estes festivais trazem uma variedade de danças, canções, curtas e longas e Anyeints, onde palhaços caricaturados forjam situações atuais. Veja apresentações regulares de Pwe, um exemplo excelente do teatro folclórico local. Nat Pwe paga referência ao mundo espiritual e Yok-Thei Pwe usa fantoches de um metro de altura. Você não vai se divertir somente assistindo as especialidades dos fantoches locais, mas ganhará respeito pelo talento deles e apoiará tradições que deixar-nos-iam mais pobres com sua perda.